Dólar sobe com aumento das tensões comerciais globais

A partir de Exame / Reuters / Investing / TradersClub

São Paulo – O dólar iniciou a quinta-feira em alta ante o real, em dia de aversão global ao risco após a prisão de uma executiva chinesa da Huawei, reacendendo os temores da guerra comercial entre Estados Unidos e China poucos dias depois de um encontro histórico entre os presidentes dos dois países na cúpula do G20.

Às 9:15, o dólar avançava 0,72 por cento, a 3,8959 reais na venda, depois de terminar a sessão anterior em alta de 0,23 por cento, a 3,8682 reais. O dólar futuro tinha avanço de 0,67 por cento.

Conjuntura Nacional

No front interno, as novelas da cessão onerosa e da reforma da Previdência continuam: enquanto a primeira deve de fato ficar para o próximo ano, a segunda já ganha contornos de dificuldade por conta da relação do governo eleito com o Congresso. Segundo o Globo, a nova proposta deve ser novamente calibrada de acordo com a viabilidade política, o que tem atrasado um texto definitivo dentro do time de transição.

Conjuntura Internacional

O destaque desta quinta-feira deve ser o aumento da aversão ao risco no exterior, seguindo a prisão de uma alta executiva chinesa da Huwaei no Canadá. O fato reacendeu as desconfianças do mercado em relação à frágil trégua firmada pelos Estados Unidos e a China durante o G-20, neste último final de semana.

Intervenção Bacen

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 13,6 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de dezembro, no total de 12,217 bilhões de dólares.

Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Agenda

— 08h00: Indicador antecedente de emprego de novembro – FGV
— 08h00: Indicador Coincidente de Desemprego de novembro – FGV
— 11h20: Produção de veículos em novembro – Anfavea
— 11h20: Venda de veículos em novembro – Anfavea

Compartilhar: