Dólar tem leves variações ante real de olho em cautela no exterior

Por Investing / Reuters

O dólar tinha leve variação ante o real nesta sexta-feira, com investidores atentos ao exterior, onde persiste a aversão ao risco ligada a temores de desaceleração econômica, sentimento endossado por dados fracos de exportações na China.

Às 10:17, o dólar avançava 0,21 por cento, a 3,8928 reais na venda. Na véspera, a moeda avançou 1,27 por cento, a 3,8847 reais, maior nível desde 27 de dezembro.

A divisa norte-americana abriu em queda contra o real, com investidores realizando correções após a forte alta da véspera.

O dólar futuro avançava cerca de 0,5 por cento.

Mais cedo, a moeda norte-americana chegou ao pico do ano contra uma cesta de moedas.

Conjuntura Internacional

As exportações da China caíram 20,7 por cento em fevereiro na comparação com o ano anterior, a maior queda em três anos, enquanto as importações recuaram pelo terceiro mês seguido, indicando mais desaceleração econômica e reforçando temores de recessão.

Na quinta-feira, os mercados mundiais foram fortemente impactados, com investidores buscando proteção na divisa norte-americana, pela decisão do BCE de cortar previsões de crescimento e inflação para os três próximos anos e de uma nova rodada de empréstimos baratos para bancos, medida que visa injetar ânimo na economia do bloco.

“Tudo isso são fatores que mantém a pressão sobre a moeda e, claro, o fator internacional vai pesar mais do que nunca à medida que a gente vê se o ciclo de crescimento chegou ao fim… acho que essa é a grande pergunta”, afirmou o economista-chefe da Geral Asset, Denilson Alencastro.

Conjuntura Nacional

No cenário doméstico, após dias sem manifestação do governo sobre a reforma da Previdência, o presidente Jair Bolsonaro usou o Twitter na noite de quinta-feira para defender a reforma, afirmando que ela permitirá estabilizar as contas públicas e viabilizará uma “rígida” reforma tributária.

A sinalização foi bem recebida por agentes do mercado financeiro, mas não aplacou complemente a cautela que permanece com relação à ausência de notícias sobre a tramitação da Previdência.

“Há essa pressão de fora e aqui dentro tudo que temos visto, principalmente com a comunicação meio confusa pela parte do governo, não oferece tanta segurança. É uma pressão que mantém o dólar nesse patamar perto de 3,90 reais, ao menos no curto prazo”, avaliou Alencastro.

Intervenção Bacen

O Banco Central realiza nesta sexta-feira leilão de até 14,5 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de abril, no total de 12,321 bilhões de dólares.

Compartilhar: